7 de julho de 2014

Resenha: O Duque e Eu - Julia Quinn



Título Original: The Duke and I
Autor: Julia Quinn
Série: Os Bridgertons (vol. #1)
Ano: 2013
Editora: Arqueiro
Páginas: 282

Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas.
Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível.
É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga.
A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Confesso a vocês que, mesmo após um pouco mais de um mês dessa leitura ser finalizada, ainda não faço ideia de como escrever uma resenha digna do amor que é esse livro. Sério gente, o que é essa história? *o*. A princípio, o livro que eu mais estava interessada em ler era "O Visconde que me Amava", segundo volume dessa série, mas, mesmo não se tratando de uma série que exija a leitura sequencial dos livros - já que cada volume narra a história de um dos irmãos Bridgertons -, eu não gosto de ler histórias fora de ordem... e como eu tinha os dois primeiros volumes na estante, tomei coragem e iniciei a leitura de "O Duque e Eu" mesmo sem estar muito animada para essa leitura no momento. E não é que me surpreendi?

A história, narrada em terceira pessoa, nos apresenta logo de cara a diferença quase gritante entre os nossos protagonistas: de um lado temos Simon, o garoto que cresceu solitário e sempre buscando dar o melhor de si para conquistar o amor e carinho que nunca encontrou no próprio pai. Do outro temos Daphne, a irmã mais velha de oito irmãos, sempre cercada pelo amor e atenção da família, além de todas risadas e companheirismo que encontra nos irmãos. E é desses dois extremos opostos que a nossa história vai se desenvolver e formar um dos casais mais lindos já vistos *-*.


"- Você tem o sorriso mais lindo que eu já vi. 
(...)
- Jura?
- Juro. - Ele deu um beijo no nariz dela. - Quando você sorri, sua boca ocupa metade do seu rosto.
- Simon! - exclamou ela. - isso parece horrível.
- É lindo.
- Mentiroso." 
(Página 198)

Simon é o tipo de mocinho com um passado complicado. Devido a um certo probleminha na fala gagueira, ele nunca foi aceito pelo pai, que sempre prezou a perfeição acima de tudo. Sendo rejeitado desde pequeno, isso apenas o motivou a mostrar que seu pai estava errado, e que ele poderia sim ser perfeito. Sempre dando o melhor de si, ele se torna um homem incrível - inteligente, bonito e muito bem sucedido. No entanto, a falta de amor e carinho o tornaram um homem fechado e triste, sempre buscando superar o próprio pai.
Confesso que essa parte de estar sempre querendo ser melhor que o seu genitor me irritou um pouquinho durante a leitura, porque nós, leitores, percebemos o quanto ele está perdendo com isso... mas demora um bom tempo pra cair a ficha do bofe T^T .
Gostei da forma como a autora criou o personagem e as suas características. Adorei o fato da autora não tê-lo criado exatamente como um cavalheiro super romântico e coisa do tipo. Ok, ele tem os seus momentos, mas eu diria que ele é mais um cavalheiro malicioso e sedutor, que nos faz suspirar e sorrir principalmente quando não precisa mais se conter... se é que me entendem u_u kkkkk do que um cavalheiro "salve a dama em perigo" ou coisa do tipo. Outra coisa que eu gostei é que a autora deixou o seu "toque safado" bem evidente. Ela não quis esconder essa característica "masculina" como muitas fazem. Não. Ela evidenciou no momento certo, o que eu realmente achei bacana. Eu diria que ele é o tipo de bofe com malícia, sabe? E essa é uma característica presente do começo ao fim da história. 
Outro ponto marcante no nosso bofe é que como ele repudia totalmente o fato dele ser gago, ele aprendeu que para evitar esse problema é necessário estar sempre sobre controle dos próprios pensamentos e emoções, então a gente acaba percebendo isso na personalidade do nosso mocinho, já que ele procura estar sempre no controle de toda e qualquer situação. A frustração do personagem é totalmente evidente quando ele não consegue que isso aconteça, já que, digamos que a imprevisibilidade não é lá uma das coisas preferidas do nosso bofe da sedução... E é aí que entra a nossa linda Daphne <3

Sério gente, tá pra nascer uma mulher mais doce, gentil e querida que a Daff <3 . Sabe aquele tipo de personagem que te conquista logo na primeira aparição? Pois é, foi bem assim. Acredito que o único ponto que não gostei na nossa mocinha foi a forma complexada que ela via a si mesma. Ok, era compreensível ela se achar feia devido ao fato que todos os homens só buscavam amizade quando a procuravam, mas daí a achar que todas as mulheres eram mais bonitas e atraentes que ela, ah, pelo amor né? Bora levantar essa auto-estima, meu bem! Força na peruca! \o
Mas ok, né? Mesmo com esse complexo de inferioridade estética a nossa queridíssima Daphne continua sendo um doce de pessoa, mas digamos que ela não é lá uma das damas mais comuns da sociedade inglesa do século XIX. Devido ao fato dela ter crescido em meio a uma família grande, e tendo como melhores amigos três irmãos mais velhos, podemos dizer que ela não é lá o tipo mais convencional de dama... E é isso que vai deixar o nosso Simon totalmente louquinho, já que esse diferencial da Daff deixa o bofe totalmente boquiaberto, afinal, como que a dama não cai nos seus flertes tão bem estruturados? Nunca antes uma mulher resistiu aos seus encantos... Isso porque nenhuma delas vinha acompanhada do convívio e experiência que três guarda-roupas mais velhos "proporcionam", né meu bem? u_u aushdiuhasiudhaiushdiuahisd.
Confesso que eu dava boas risadas quanto a forma imprevisível que a Daphne reagia a essas "investidas/flertes" do Simon. Como eu já disse, o bofe sente a necessidade de estar no controle da situação, e quando isso não acontecia nem com uma simples cantada, imagina como ele não ficava? Totalmente desconcertado e tipo "O que? Isso é sério? Eu realmente não obtive sucesso?" e ele meio puto da vida graças a isso era tão fofinho! *u* . Sério gente, simplesmente amei esses dois juntos! <3

"- Onde nós estávamos mesmo?
Daphne riu novamente.
- Bem aqui, eu acho.
- Rá! - exclamou ele com uma expressão acusadora bastante cômica. - Você não estava prestando atenção. Nós estávamos - continuou, deslizando para cima dela, pressionando-a contra o colchão - bem aqui.
Os risos dela explodiram numa gargalhada.
- Ninguém nunca lhe disse para não rir de um homem quando ele está tentando seduzir você?" 
(Página 215)

Outra coisa que vale mencionar é a família Bridgerton. Meeeeu Deus, o que era essa família? *o* s2. Impossível não se apaixonar por cada um dos irmãos! A autora deu personalidades tão distintas pra cada um deles, que é exatamente dessa forma que eles te conquistam: de forma única, totalmente própria e especial. 
Também adorei ver a forma como cada um deles demonstrava afeto um com o outro. Podia ser através de briguinhas, conversas e comentários sarcásticos ou até mesmo trocando conselhos ou pedindo um ombro amigo. O amor e a preocupação entre eles sempre estava lá, e se fazia perceptível até mesmo nesses pequenos atos. Realmente amei ver isso, pois a autora conseguiu construir uma relação entre irmãos realmente verdadeira, do tipo que pode haver brigas e discussões ou risadas e conselhos, mas independente do que, o carinho um pelo outro sempre vai estar lá <3 . 
E é claro que dentre tantos irmãos a gente acaba tendo os nossos favoritos, né? E eu confesso que os irmãos que eu mais gostei foram o Colin e o Anhtony é óbvio né? como não amar esses deuses gregos? *o*, além da mãe mais diva de todos os tempos: Violet. Sério, ficava besta na forma como ela conseguia fazer com que os filhos agissem exatamente como queria sem que eles nem percebessem. Fora todo o amor e carinho que ela sentia por cada um deles. Realmente adorei essa mulher, e espero que ela esteja ainda mais presente nos volumes seguintes *-*

"(...) Enfiou as flores no rosto do filho, sacudindo-as de forma a depositar o máximo de pólen no nariz dele. - Não são lindas?
Anthony espirrou e empurrou as tulipas para o lado.
- Mamãe, estou tentando falar com o duque.
Ela olhou para o rapaz.
- Deseja ter essa coversa com meu filho?
- Não faço nenhuma questão, na verdade - respondeu Simon.
- Muito bem, então. Anthony, fique quieto."
(Página 90)

Quanto ao Colin e ao Anthony, gostei da forma como os dois eram tão diferentes em personalidade, mas que quando se tratava da Daphne, eles se tornavam exatamente iguais. Adorei ver a forma como os dois cuidavam e se preocupavam com ela com exceção de algumas partes do Anthony, que acabava sendo exagerado demais... mesmo assim, era compreensível e ele não deixava de ser um bofe lindo e suspirante... ok, calma hormônios. Respira u_u, além de toda aquela coisa de "Somos seus irmãos mais velhos. Se mexerem com você, mexeram com a gente também" principalmente quando o assunto era o Simon e é sério gente, isso queria dizer alguma coisa, já que os dois eram guarda-roupas que realmente impunham algum respeito na paçoca u_u. Adorei a fofura e personalidade descontraída do Colin, e amei a forma protetora e preocupada do Anthony em relação a Daff. Realmente ansiosa pela história deles a do Anthony é o próximo volume \o <3

"- Mamãe me contou que os dois estão nervosos e que eu deveria deixá-los a sós, mas achei melhor me certificar de que não se matariam.
- Claro que não - comentou Anthony com um sorriso irritado. - Houve apenas um pequeno estrangulamento.
A jovem nem piscou.
- Quem estrangulou quem?
- Eu o estrangulei primeiro - contou Anthony -, e depois ele retribuiu o gesto.
- Sei - disse ela lentamente. - Que pena eu ter perdido a diversão." 
(Página 95)

Uma coisa que eu gostei bastante na história foi a forma como a autora retratou os bailes da época. Pra quem curte romances históricos eles não são surpresa alguma, mas o que eu gostei na autora foi a forma original que ela mostrou o outro lado da moeda. Normalmente a gente vê as mocinhas alegres e saltitantes loucas para achar o seu bofe encantado no baile, dançar, casar e ser feliz pra sempre. Já na história da Julia Quinn, ela mostra o outro lado. As mocinhas encalhadas que não aguentam mais ser apresentadas a 198965 caras em uma mesma noite em busca de um boy magia que agrade a mãe já que, é claro, são as mães que comandam essa coisa u_u, os bofes solteiros fazendo de tudo pra fugir das mães casamenteiras e de suas filhas, sempre fazendo longas apresentações e tendo que fazer danças indesejadas, e também fugindo das próprias mães, como é o caso dos nossos bofes Bridgerton, sempre arranjando um jeito de se esquivarem da dona Violet pra não terem que ser apresentados a mais uma dama solteirona e suas mães matracas. Simplesmente ADOREI ver isso na história, além de ter me rendido ótimas risadas!

Outra coisa que vale ressalva foi a forma como o nosso casal divo e absoluto foi se desenvolvendo. É óbvio que rola uma atração imediata entre o Simon e a Daphne, mas é aos poucos que a paixão e, consequentemente, o amor vão surgindo. A autora não é apressada em querer colocar a carroça na frente dos bois e também não rola aquilo de amor miojo com exceção da atração. Essa sim foi miojo.
Gostei bastante do fato de antes deles serem um casal, eles são amigos. Tipo, parceiros de verdade, sabe? Então eles realmente tem aquele tempo pra ir conhecendo um ao outro, pra se tornarem próximos e íntimos. Fora que o fato dessa amizade existir acaba tornando tudo ainda mais real já que o amor não surge de uma hora pra outra. É algo que vai desabrochando e engraçado, porque vamos combinar, as conversas desses dois eram realmente impagáveis em dados momentos XD <3 . Esse conhecer um ao outro, criar uma amizade, a evolução de um sentimento, tudinho, é algo que vai fluindo naturalmente, sabe? Sem pressa e sem ter que forçar nada.

"(...)
- Você não sabe o que ele já fez.
- Nada mais grave do que você mesmo já fez, tenho certeza - comentou Violet, com malícia.
- Exatamente! - exclamou Anthony. - Pelo amor de Deus, eu sei muito bem o que está se passando na cabeça dele neste momento, e não tem nada a ver com poesia e rosas.
Simon imaginou Daphne deitada numa cama de pétalas de rosas.
- Bem, talvez rosas - murmurou ele.
- Eu vou matá-lo! - ameaçou Anthony." 
(Página 91)

Adorei ver o sentimento que se desenvolveu entre os dois, não só o amor, mas a admiração, a fascinação que um sentia pelo outro principalmente o Simon em relação a Daff. A forma como o Simon se esforçava para agir e dizer as coisas certas, sempre pensando em não magoar ou deixar a Daphne infeliz. Como sempre foi só ele, sozinho, sem ter que se preocupar com uma segunda pessoa, ainda mais uma que lhe importasse tanto, ele realmente se esforça para agradar e tratá-la bem, e essa forma dele se esforçar, de tentar sempre dar o seu melhor para vê-la sorrir, é realmente linda - já que era nessas horas que ele mais demonstrava o seu amor por ela.

A história vai se desenvolvendo, e conforme as coisas vão acontecendo e esses acontecimentos tomando forma, a gente vai percebendo a profundidade dos sentimentos e desejos próprios de cada personagem. Não só em relação ao amor que sentem um pelo outro, mas todas as complicações que tornam esse amor tão lindo em uma coisa difícil. A gente vai entendendo o vazio, a solidão e toda a dor que a falta de afeto familiar quando criança causou no Simon. Como isso marcou o personagem e o afeta ainda depois de adulto.
Acredito que esse seja o ponto mais incrível da história, porque é aí que vemos a real forma de amor. Vemos como o Simon é carente de amor e carinho, e que esse tipo de afeto só pode ser preenchido pela Daphne. Vemos como um completa o outro, como um cura o outro. Separados eles são bons, mas juntos se tornam perfeitos.

"- Eu amo você Daff - disse ele baixinho.
O coração dela começou a bater de novo, dessa vez com toda a força.
- Ama?
Ele assentiu, roçando o nariz no dela.
- Não pude evitar.
Os lábios dela se abriram em um sorriso hesitante.
- Isso não é muito romântico...
- Mas é a verdade." 
(Página 266)

Essa foi a primeira obra que li da Julia Quinn, e posso afirmar que ela entrou para a minha lista de escritoras favoritas sem pensar duas vezes.
A forma como ela construiu a história, os personagens, as relações familiares e até mesmo os diálogos não vou nem falar do final, já que é um amor a parte <3, tudo, TUDINHO, foi de forma impecável. Sabe aquela coisa que te faz suspirar e sonhar acordada a cada página lida? Aquela escrita tão realista, mas que ao mesmo tempo é tão carregada de sentimento e intensidade, que te leva a um outro mundo? Um mundo onde aquele amor verdadeiro e sincero é tão presente, tão palpável, que te faz ficar ansiando por viver nesse mundo e conseguir experimentar um amor desses. É o tipo de escrita que te toca e conquista logo de cara e, para os românticos de plantão, é impossível resistir à magia de tais palavras. Tenho certeza que não só o livro assim como também a autora irá entrar para os seus favoritos e ganhará um cantinho especial na sua estante. Leitura mais que indicada (;

8 comentários:

  1. Ah!!! Todo mundo que lê a autora diz que ela entrou para os favoritos. Ainda não li nada sobre a autora mas vou adicionar esse livro na minha lista.
    Bjss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então isso quer dizer alguma coisa né? Algo como "ela realmente é muuuito boa!" u_u uahuashdiuahiudahiuudiaiud.
      Adicione sim. Tenho certeza que não irá se arrepender! (((:

      BEEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* <3

      Excluir
  2. Oii, eu tinha comentado aqui ontem, mas o comentário não foi e fiquei com preguiça de escrever de novo kk. Eu adorei a resenha, foi supercompleta, vc falou sobre tudo. Eu tenho esse livro, mas ainda não li.
    bjs
    felicidadeinventada.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaaah, esse comentários travessos u_u kkkkkkk
      Awwwwn, que bom que você gostou! *u* As vezes eu exagero nas palavras - por isso o tamanho das minhas resenhas ]: - mas eu tento expor meu ponto de vista sobre tudo que acho necessário u_u
      Sei bem como é. Tenho zilhões de livros não lidos na estante \: . Mas realmente te recomendo a leitura desse. Com certeza não irá se arrepender ((:

      BEEEEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* <3

      Excluir
  3. OOOOOOOOOOOOOi Rafaaaa... Anteees de tudoooooooooo PARABÉNS por dois aninhos de blooog, riiii muitooo durante a leitura do post, e é isso aaí nada de dar livros pra pobres coitados que nem sabem o nome do blog hahahaha com tudo isso lembrei que já te acompanhava antes do inconstante controvérsia, lembra da época língua de livros? (era isso mesmo?) Acho quuue estamoos ficando velha eeem... hahahaha Adoroo muito o seu blog e você sabe disso, esperoo que continue sempre postando suuas resenhaas maravilhosas pra gente e que cresça cada dia mais, porque você supeer merece!!
    Sobre Duque e eu, eu já li há um tempinho e simplesmente adoreei, li numa sentada e minha mãe ficou muito brava porque terminei no dia que comprei (ela sempre fala que eu dou prejuízo) Concordoo com cada detalhinho da sua resenha. Seeem sombra de dúvida meu amoor maior é o Colin <3 lindo, maravilhoso e divo (não vejo a hora da história dele lançar por aqui) adoro o casal Simon e Daphne são uns fofos (por mais que eu queria entrar no livro e mandar Simon parar de ser cabeça dura) Fiquei apaixonada pela história e pela Julia Q. Você sabia que lá nos EUA os livros dela são em edição de livro de banca? Acheei que faz todo o sentido porque durante toda a narrativa parecia que eu tava lendo um romance de banca hahahahah AAAAAh acheeei tipo demais a sequencia alfabética da primeira letra dos nomes deles hahaha e a Dapnhe bravinha no final da história por causa disso é muito engraçado hahahahaha AAAAí quero muitoo ler o Visconde que me amava, não vejo a horaaa, adoreei a resenhaa

    Beijinhooos Bi

    http://janeladela.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OOOOOOOOOOOOOOOOI, BIA! *--------*
      Muitíssimo obrigada! *u* Pois é, que bom que alguém entendeu o meu ponto de vista u_u ahsudahiusdhasiuhdiuasid.
      Opa, e tem como esquecer? "Língua dos Livros" faz parte dessa história <3 . Velhas não! Experientes u_u ashduiashdiuahiudhiaudsi
      Awwwwwwwwwwwwwn, muuuuito obrigada pelo carinho, Bia! Você sempre linda com a sua fofura, né? Mereço *u* <3

      É liiiiindo né? Impossível parar de ler! E eu entendo sua mãe, já que aqui em casa também é mais o menos assim, asudhuashdaiuhdiuasd.
      Neeeeeem me fale! Colin também é o meu queridinho! Lindo e engraçado, queremos mais o que, né? u_u ahsduiaisdhaudhaiushdiu.

      Também fiquei com vontade de dar uns chacoalhões no Simon, porque meu Deus, como pode ser tão cabeça dura T.T
      Pois é, mas aqui também tem alguns livros dela publicados em formato de banca, se não me falha a memória. Mas se formos pensar bem, quase todos - ou pelo menos a maioria - dos romances de banca são históricos, com mocinhos que não querem dar o braço a torcer e as mocinhas que fogem do padrão da época. Então, se formos ver uma diferença entre os romances históricos e os de banca, é só o formato da publicação (banca/livraria). Acho que por isso você sentiu essa semelhança entre os dois.
      Né? Achei genial isso! Pelo menos, não tinha como se perder né? Já que é tudo por ordem alfabética e tal u_u asuhduashdiuhasiudhasiuhdiu

      Também estou bem curiosa, mas, mesmo tendo o segundo volume na estante, vou tentar intercalar os romances históricos com outro gêneros que tenho aqui. Se não só teremos resenhas desse tipo, audshaiusdhaiusdhiahsiudasd.
      Que bom que gostou!! *---------*

      BEEEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* <3

      Excluir
  4. Hey!

    Eu aaaaaaamo um bom romance histórico, e só escuto elogios à Julia Quinn, então não é de hoje que quero começar essa série, só não tive nem o tempo nem a grana ainda pra investir nela. Eu ganhei Um perfeito cavalheiro de aniversário, mas também não curto ler fora de ordem, então o coitado tá pegando poeira na estante. Eu não me incomodo dele ser mais malicioso e sedutor do que romântico. Pra ser sincera, são os mocinhos assim que mais me agradam. Ah, adorei saber que a família toda da Daphne é querida! Minha série favorita do gênero, Os Hathaways, segue esse mesmo estilo, e sempre achei que jamais encontraria uma família tão fofa. Veremos qual vai se tornar minha favorita depois que eu conhecer os Bridgertons. Bem legal essa abordagem diferente dos bailes, deve render mesmo boas risadas. Fofa, amei sua resenha. Dá pra sentir sua empolgação, e quase saí correndo pra livraria pra comprar meu exemplar.

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Amanda. Tudo bom? (((:
      Então somos duas, bate aqui! o/\o .
      Ler fora de ordem é realmente um saco, ainda mais nesse tipo de série, já que você acaba pegando spoilers dos casais formados nos livros anteriores, e toda a história que eles já passaram. Realmente, é melhor esperar você juntar um dinheirinho e comprar os dois primeiros volumes pra poder ler na ordem. Pelo menos você não corre o risco de pegar spoilers indesejados, e ainda acompanha a história na cronologia certa ((((:

      Né??? Também não me incomodei nem um pouquinho com isso! u_u aushdiuahsdiuahsiudsiad. Acho que mocinhos românticos demais, sem muita malicia, acabam sendo muito irreais... mesmo eu amando os dois tipos, confesso u_u kkkkkkkkk

      Sim sim, eles são uns amores! Do tipo família unida, que briga briga mas se ama e se preocupam uns com os outros. Realmente uns lindos <3
      Ah, eu ganhei o primeiro volume da série "Os Hathaways" mas ainda não bateu a inspiração pra lê-lo T.T . Parece seguir a mesma linha dos livros da Julia Quinn, e como eu amei os dela, acho que vou amar os dessa série também *u* . Vamos ver o que acho, né? (:
      Acho meio difícil escolher uma favorita, já que cada uma te conquista de um jeito. Mãaas, caso consiga se decidir, não deixe de me informar qual ganhou n__n kkkkkkk.

      Com certeza! Eu realmente me diverti lendo!

      Awwwwwn, que bom que gostou! Fico feliz em ter conseguido expressar bem o meu amor por essa história, e ainda mais feliz em ver que te contagiei com a minha empolgação *-*. Realmente te indico essa compra de olhos fechados! u_u

      BEEEEEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* <3

      Excluir


A opinião é livre, não pode nem deve ser violentada.
(Baltasar Gracián y Morales)