25 de maio de 2016

Positivo e Negativo: Motivos para ler "Azar o Seu!", da Carol Sabar

Olá meus amooores! Tudo bom com vocês? ^-^
Já faz alguns dias que eu finalmente tomei vergonha na cara e decidi que já estava mais do que na hora de ler "Azar o Seu!", da Carol Sabar. Afinal, já tem aproximadamente três anos sim, foi isso mesmo que você leu. Eu sei, é uma vergonha que o livro tá parado na estante, esperando pacientemente a sua vez de ser lido e de distribuir o amor contido em todas suas 367 páginas <3.
Então sim, podem me julgar, eu demorei uma eternidade para lê-lo, mãaaas... O importante é que finalmente foi chegada a hora dele, nénão? Então não me julguem muito u_u uashdiuahdiuaiudhasd.

De todo modo, como vocês devem ter notado pelo título, a "resenha" de hoje vai ser um pouquinho diferente do normal. O motivo? Bom, eu confesso pra vocês que mesmo tendo gostado bastante da leitura, sabe-se lá o porquê cargas d'água eu simplesmente não ando conseguindo escrever uma resenha desse livro. Já perdi as contas de quantas vezes eu tentei escrevê-la e o resultado foi basicamente esse:

Imagem de black and white, gif, and hand
#Frustrada </3

Entãaaao, decidi fazer uma “resenha” um pouco diferente, e ao invés de escrevê-la como um texto imenso e bem lindão, vou tentar me arriscar nos temidos – pelo menos pra mim, que falo mais que a boca – tópicos... E espero que eles saiam tão maravilindos quanto texto u_u Rafaela, humildade em pessoa.

Não sei se essa minha ideia vai dar muito certo, mãaaaas, esperança é a última que morre né? u_u. Então, *dedinhos cruzados* e bora lá pra ver no que vai dar! (((:

19 de março de 2016

Resenha: Samantha Sweet, executiva do lar - Sophie Kinsella



Título Original: The Undomestic Goddess
Autora: Sophie Kinsella
Ano: 2011
Editora: Record
Páginas: 510

Sinopse: Samantha Sweet é uma advogada workaholic, que não tem tempo para família e amigos. Relacionamentos? Apenas os profissionais, obrigada! É assim até o dia em que ela dá a maior mancada corporativa da sua vida. Desesperada, sai para uma voltinha. Quando percebe, Samantha está diante de uma mansão deslumbrante, e é confundida com uma candidata a doméstica. A advogada, repentinamente, se vê entre panelas, máquinas de lavar roupa e ferros de passar. Será que seus patrões vão desconfiar que contrataram uma advogada formada em Cambridge, com QI de 158?


Depois de muito tempo sem ler nada da dona Kinsella, e depois de muitas tentativas frustradas de iniciar essa leitura, eis que finalmente encontrei o momento certo para ler "Samantha Sweet, executiva do lar". Porque sim, meu povo, eu realmente acredito que pra cada livro da nossa estante, há um momento certo para ser feita a leitura. Caso contrário a coisa não vai pra frente. E foi isso que aconteceu com o livro que venho vos falar hoje u_u

Foram muitas as vezes em que tirei esse livro da estante - sério, MUITAS. E já estava me frustrando que um livro chick lit da diva maravilhosa suprema Sophie Kinsella me causasse tanta dificuldade pra "engatar" na leitura.
Passadas as primeiras 90 páginas da história eu fui me dar conta do porquê eu fiquei travada tantas vezes no começo. E o motivo tem nome e sobrenome: Samantha Sweet.

No começo da história, somos apresentados a uma personagem completamente workaholic, que "programa" cada dia da sua vida em esquemas de 6min - sim, toda a sua vida é cronometrada, já que tempo é dinheiro. E isso me irritou MUITO. Sério gente, no começo do livro eu fiquei com muita raivinha da personagem e toda a sua obsessão pelo trabalho. E infelizmente isso se prolonga por muitas páginas do livro, tendo dificultado a minha "conexão" com a história.
Mãaaaas, como estamos falando de uma história escrita pela diva Sophie, é óbvio que ela daria uma reboladinha e as coisas começariam a ficar mais interessantes. E eis que isso acontece quando nossa especialista no que diz respeito a advocacia, porém um grande zero a esquerda quando o assunto é trabalho doméstico, acaba aceitando o trabalho de empregada doméstica em uma mansão, afirmando ser uma cozinheira nível cordon bleu - quando na verdade mal sabe o que é uma torradeira sim ela está nesse nível de "conhecimentos domésticos". O porquê dela fazer isso eu não posso contar, mas te garanto que essa escolha da personagem é o que vai gerar uma das histórias mais engraçadas e inusitadas de todos os tempos!

"Ela pega a tábua comigo e em dois movimentos ajustou exatamente na altura certa.
- Acho que você usava um modelo diferente - acrescenta com sabedoria enquanto ela se trava de novo. - Cada uma tem seus truquezinhos.
- Sem dúvida! - digo agarrando-me com alívio a essa desculpa. - Claro! Estou muito mais acostumada a trabalhar com uma... uma... Nimbus 2000.
Trish me olha, surpresa.
- Essa não é a vassoura do Harry Potter?
Porra.
Eu sabia que tinha ouvido em algum lugar." 
(Página 179) 

15 de janeiro de 2016

Desafio literário para meros mortais 2016

Imagem de book, flowers, and reading
Olá meus amooores! *-*
O post de hoje é pra compartilhar com vocês uma ideia que eu e uma amiga minha tivemos... ok, na verdade, 99% da ideia foi da minha amiga beijo, Paulitcha! <3 e eu só fiquei dando uns pitaco na hora que ela estava colocando a criatividade em ação, então digamos que eu tive uma pequena participação, ok? u_u aushdiuahdiuahiuhiadhiu.

Todo ano eu via diversos blogs participando de desafios literários e sempre tive vontade de participar de um também. O problema é que, pra mim, esses desafios não são muito realistas, sabe?
Ok, eu sei que o objetivo de um desafio é desafiar a pessoa aah vá!, mas eu acho importante a gente conhecer nossos próprios limites. E eu sei que ler 60 livros em um ano é uma meta extremamente "fora da caixinha" pra mim no momento.
Acho incrível quem consegue ler mais de 5 livros no mês, ou alcançar a meta de leitura do ano em apenas seis meses sério, como vocês conseguem?. Mas eu sou do tipo que consegue ler no máximo 3 livros no mês... e que tem mês que não consegue ler nada. Eu sei, eu sei, uma pequena vergonha, mas é a realidade.

E foi pensando nisso que eu dei pitaco na criação do desafio da minha amiga, e acabamos fazendo uma lista até que bem razoável, com 20 "categorias". E eu decidi chamar esse desafio de: