31 de janeiro de 2018

Resoluções de Vida


      Já tem um tempo que me pego pensando e repensando sobre um mesmo assunto. Frequentemente. Sabe aquele barulhinho irritante de pernilongo no seu ouvido bem na hora que você quer dormir? Aquele som incômodo e extremamente persistente, que te obriga a sair da cama pra caçar o bendito mosquito, em busca de paz e sossego? Pois então, digamos que a caçadora em busca de sossego sou eu, e o mosquito em questão é a reflexão a que cheguei, depois de ser azucrinada incansavelmente até tomar vergonha na cara e parar de ignorar esse barulhinho insistente.
     O assunto em questão se faz presente a cada final e início de ano, mas acaba tendo seu valor deixado de lado, ofuscado por toda recente resolução que as listas de metas de ano novo trazem. Todo o glamour do “ano novo, vida nova” e da otimista perspectiva da famosa “primeira página das 365 em branco”. O problema é que todo esse otimismo e determinação em começar o ano com o pé direito e fazê-lo valer a pena se limita, de fato, apenas aos primeiros dias de Janeiro – com sorte, a determinação perdura até o fim do mês, mas isso é bem raro. Como se todas essas famigeradas 365 páginas em branco se resumissem apenas às 30 primeiras. E quanto as 335 restantes? Estão ali só de enfeite?

28 de dezembro de 2017

Resenha: Passarinha - Kathryn Erskine

Resultado de imagem


Título Original: Mockingbird
Autora: Kathryn Erskine
Ano: 2013
Editora: Valentina
Páginas: 224

Sinopse: No mundo de Caitlin, tudo é preto e branco. Qualquer coisa entre um e outro dá uma baita sensação de recreio no estômago e a obriga a fazer bicho de pelúcia. É isso que seu irmão, Devon, sempre tentou explicar às pessoas. Mas agora, depois do dia em que a vida desmoronou, seu pai, devastado, chora muito sem saber ao certo como lidar com isso. Ela quer ajudar o pai – a si mesma e todos a sua volta –, mas, sendo uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido. Caitlin, que não gosta de olhar para a pessoa nem que invadam seu espaço pessoal, se volta, então, para os livros e dicionários, que considera fáceis por estarem repletos de fatos, preto no branco. Após ler a definição da palavra desfecho, tem certeza de que é exatamente disso que ela e seu pai precisam. E Caitlin está determinada a consegui-lo. Seguindo o conselho do irmão, ela decide trabalhar nisso, o que a leva a descobrir que nem tudo é realmente preto e branco, afinal, o mundo é cheio de cores, confuso mas belo. Um livro sobre compreender uns aos outros, repleto de empatia, com um desfecho comovente e encantador que levará o leitor às lágrimas e dará aos jovens um precioso vislumbre do mundo todo especial dessa menina extraordinária.

“Passarinha” chegou às minhas mãos da forma mais inesperada possível. Já tinha lido muitos elogios sobre o livro e sempre fiquei intrigada pela capa, mas isso nunca foi o suficiente para despertar o meu interesse e fazer com que eu o desejasse loucamente a ponto de comprá-lo. A perspectiva de uma história com alta carga dramática sempre me deixa com os dois pés atrás, já que o drama e a bad nunca são elementos que fazem os meus olhos brilharem, sabe? Eu faço mais o tipo romance com uma boa dose de comédia, aliada a um belo felizes para sempre, de preferência os que arranquem suspiros e sorrisos bobos e despercebidos ao fechar o livro. Eu sei, eu sei. Você provavelmente deve estar se perguntando o porquê de uma pessoa que não compõe a lista de admiradores e fãs de dramas, ter comprado um livro que na sinopse já nos fala de uma protagonista com Síndrome de Asperger que acaba de perder o irmão, não é mesmo? Calma que eu te explico.

Basicamente, eu peguei uma promoção com cupom de desconto. Sim, simples assim. E como a boa compradora que sou – e que adora descontos -, lá fui eu felizona comprar o ebook pra, quem sabe, no futuro, em um momento deprê reflexivo, eu pegasse pra ler, né? – esperança é a última que morre. Mãaaas, como nem tudo pode ser morango com chantilly, é óbvio que a pessoa que vos fala tinha que ter algum probleminha desconhecido pela ciência que fez com que, sabe-se lá como, usasse o cupom sem efetuar a compra.

Imagem de funny Imagem de gif, Mary Poppins, and sarcasm
Imagem de nicki minaj, gif, and swag Imagem de gif, funny, and lol

Pois é meu povo, essa habilidade é para poucos. 

Acabou que no fim das contas eu fui tentar usar o cupom, mas ele não quis ser meu amigo e colaborar com a minha felicidade, então um ebook que era pra ter saído praticamente de graça, acabou me levando R$10,47 ]: tuuuudo bem né? É só a vida me mostrando que azar nunca é demais.

Depois de superada a raivinha que senti da minha própria incapacidade mental para usar cupons (mentira gente, normalmente eu uso os cupons direitinho, mas dessa vez sei lá o que aconteceu. Cérebro bugou e deu ruim. Já estou trabalhando na aceitação desse fato), decidi que “Passarinha” deveria ser a minha próxima leitura. Afinal, já que paguei pelo bichinho entendeu? bichinho, passarinha... Não? então deixa quieto, o mínimo que posso fazer é lê-lo, não é mesmo? E gente do céu, fico extremamente feliz de tê-lo feito.

"- É uma questão de finesse.
- FiNESse?
- Isso.
- Gostei dessa palavra. O que quer dizer?
- Fazer uma coisa com tato e habilidade ao lidar com uma situação difícil.
Fico surpresa por só estar aprendendo essa palavra agora. Ela é a minha cara! É o que tento fazer todos os dias para Lidar Com essa situação difícil chamada vida."

15 de dezembro de 2017

Impaciência, meu segundo nome



Pessoas lindas do meu coração, escrevi essa "crônica" para a aula de redação da faculdade, e como particularmente gostei do meu humor ácido, achei que seria legal compartilhar com vocês. Eu sei que crônicas normalmente contam apenas com o texto corrido, mas eu achei que essa aqui em específico simplesmente PRECISAVA de gifs. Espero que aprovem essa decisão e se divirtam lendo <3 

     No último fim de semana, eu e minha mãe fomos convidadas para uma apresentação de dança de uma prima, a qual comparecemos com muita animação. Chegamos cedo, na expectativa de encontrar bons assentos, afinal, quando se tem miopia isso acaba se tornando um pré-requisito. Mesmo com meia hora de antecedência, o lugar já estava cheio. Tivemos que nos contentar com poltronas das fileiras laterais, mas ainda assim no centro da plateia. Tudo ia bem, com exceção do atraso nada sutil para o início da apresentação.
     Eis que, como se toda a espera já não fosse um teste cruel com a minha paciência, uma mulher sentada na fileira da frente decide estabelecer contato, e me pede para segurar a poltrona ao lado da minha para a mãe dela que estava chegando. Como a boa e gentil cidadã que sou, fiz o meu papel e guardei o lugar para a senhora deselegantemente atrasada... Aquele não foi o melhor momento para me mostrar uma cidadã boa e gentil. Definitivamente não.


30 de novembro de 2017

Concluindo - Desafio Literário para Meros Mortais 2016

Olá meus amoooooores!!! Tudo bom com vocês??
Como vocês tem passado esse mais de um ano sem a minha pessoa? Sentiram tanta falta de mim quanto eu senti de vocês? Awwwwwn, venham aqui me dar um abraço!

Imagem de 90s, you, and best friends

Eu sei, eu sei, o fato da blogueira que vos fala viver sumindo não é nenhuma novidade, não é mesmo? Mas essa foi a primeira vez que fiquei tanto tempo longe desse cantinho maravilhoso e purpurinado. Digamos apenas que a faculdade virou bff da minha falta de criatividade e ambas se aliaram à preguiça, que é um ser que realmente ama o meu corpo de uma forma ABSURDA! Então acabou que todas se uniram em um complô contra a minha bela pessoa, o que acabou resultando em mais de um ano sem atualizações por aqui.

Imagem de adam levine, maroon 5, and the voice

Mãaaas, como Rafitcha sempre volta, cá estou toda trabalhada no óleo de peroba na cara para reativar esse blog maravilhoso que tanto amo <3 . E como em 2016 eu havia compartilhado com vocês a criação do "Desafio literário para meros mortais", nada mais justo do que retornar com um feedback de como foi esse desafio. To um pouquinho atrasada? É... considerando que estamos em novembro quase dezembro, e que 2016 acabou já tem 11 meses...

 Imagem inspiradora no WHI 
 Imagem de american, eyes, and gif Imagem de gif


Mas como o que vale é a intenção, então vamo que vamo.