15 de dezembro de 2017

Impaciência, meu segundo nome



Pessoas lindas do meu coração, escrevi essa "crônica" para a aula de redação da faculdade, e como particularmente gostei do meu humor ácido, achei que seria legal compartilhar com vocês. Eu sei que crônicas normalmente contam apenas com o texto corrido, mas eu achei que essa aqui em específico simplesmente PRECISAVA de gifs. Espero que aprovem essa decisão e se divirtam lendo <3 

     No último fim de semana, eu e minha mãe fomos convidadas para uma apresentação de dança de uma prima, a qual comparecemos com muita animação. Chegamos cedo, na expectativa de encontrar bons assentos, afinal, quando se tem miopia isso acaba se tornando um pré-requisito. Mesmo com meia hora de antecedência, o lugar já estava cheio. Tivemos que nos contentar com poltronas das fileiras laterais, mas ainda assim no centro da plateia. Tudo ia bem, com exceção do atraso nada sutil para o início da apresentação.
     Eis que, como se toda a espera já não fosse um teste cruel com a minha paciência, uma mulher sentada na fileira da frente decide estabelecer contato, e me pede para segurar a poltrona ao lado da minha para a mãe dela que estava chegando. Como a boa e gentil cidadã que sou, fiz o meu papel e guardei o lugar para a senhora deselegantemente atrasada... Aquele não foi o melhor momento para me mostrar uma cidadã boa e gentil. Definitivamente não.


      Pouco tempo depois, a senhora nos saudou com sua presença. Como tinham duas poltronas vazias ao meu lado, ela respeitou o espaço pessoal de nós duas, e se sentou na outra poltrona. Uma pena esse respeito não ter durado muito tempo. Pouco depois de ela ter se ajeitado, um dos netos decidiu que a companhia da avó seria muito mais interessante do que a dos pais, e resolveu que queria se sentar com a senhora. Adeus espaço pessoal.
       A essa altura da noite, eu já estava bufando de impaciência. Veja bem, eu realmente tento respirar fundo, contar até dez, me distrair com outras coisas e ver o lado positivo da vida em momentos de espera devido ao atraso alheio. Mas tem vezes que a vida parece não querer colaborar com a minha calma metodicamente estabelecida. E esse era um desses momentos.
      Não bastasse o atraso da apresentação, seguido por muita enrolação da parte da dona da escola, com direito a história sobre como tudo começou e quais os valores em que a escola se baseia – não me leve a mal, eu realmente acho muito lindo ter Deus e a família como base, mas essa informação é realmente irrelevante pra quem está impaciente e só quer ver umas criancinhas fazendo uns pliés e usando lindos tules cor-de-rosa – ainda tinha que aguentar aquela criança abençoada por Deus com energia pra dar e vender, achando que as fileiras em que os pais dela e a avó estavam sentados eram seu parque de diversões particular. Eu realmente gostaria de entender como um ser humano que tem menos da metade do meu tamanho pode ter mais que o dobro da minha energia.



     Eis que a apresentação – finalmente – tem início, e eu preciso te dizer: se eu soubesse que toda aquela espera era para aquilo, eu teria ficado em casa curtindo Netflix, na companhia da minha coberta, e sem crianças a tiracolo azucrinando a minha paciência. Vendo pelo lado bom, pelo menos as músicas eram legais.
      Em meio ao tédio do espetáculo, era muito mais fácil prestar atenção e me deixar irritar pela criança hiperativa. E foi o que eu fiz. Usei 100% de uma habilidade cênica que nem sabia existir em mim, tamanha era a carranca intercalada com cara de má que eu fazia. Realmente me surpreendeu a falta de bom senso dos pais e da avó da criança, porque naquele ponto só faltava eu chacoalhá-la pelos ombros com um sonoro “AQUIETA ESSE FAIXO, MENINA!”.

 

      Deixo meu recado para os pais que por algum motivo chegaram até aqui: não deixem suas crianças zanzando soltas por aí, peregrinando de uma poltrona a outra. Elas podem acabar pousando na poltrona ao lado da minha, e já aviso não entender – e nem ter paciência – com o comportamento serelepe infantil. Se seu filho gosta de ser adulado com sorrisos, ele pode acabar traumatizado estando ao meu lado. Não diga que eu não avisei.


12 comentários:

  1. Olá, Rafaela.
    Eu não tenho filhos, e me irrito fácil com criança mal educada. Me irrito com os pais que acha bonito crianças que até batem na cara deles. Não tem programa que fique bom com crianças assim ao lado. E se atrasar ainda hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sil!
      Pois é, menina, parece que tudo conspirou contra a minha pessoa nesse dia, né? XD Mãaaas, vendo pelo lado bom, pelo menos me rendeu uma boa crônica, não é mesmo? kkkkkkk


      Um super beijo e volte sempre! :* <3

      Excluir
  2. Oi, Rafaela. Gostei muito da sua crônica, até mesmo maginei as cenas aqui! Eu detesto criança, ainda mais essas que os pais não tem controle algum. Na minha igreja tem um monte, fazem bagunça e ninguém consegue controlar, isso me irrita de um jeito... menina, ninguém te contou que apresentações de criança de balé são uma merda? Elas não fazem nada, namoral kkk era melhor ter ficado em casa.
    Beijos
    http://www.leitoraencantada.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Miriã!
      Awwwwwn, fico feliz que tenha gostado e imaginado as cenas! E espero que tenha se divertido lendo ^-^
      Complicado né? Eu também fico louca com essas coisas. Acho que deveria ser proibido os pais levarem as crianças em lugares públicos até aprenderem a educá-las corretamente. Porque sério, que culpa tem o resto das pessoas se os pais em questão não souberam educar o filho, não é mesmo? Tem que ter muita paciência - coisa que, como deu pra perceber, eu não tenho XD.
      Pois é, Miriã! Não fui informada desse triste fato e acabei descobrindo da pior forma. Mas pelo menos na próxima eu economizo o dinheiro do ingresso e me poupo de tanto estresse, kkkkkkkkk


      Um super beijo e volte sempre! :* <3

      Excluir
  3. Olá, Rafaela.
    Menina, eu ri muito com a sua crônica, hahaha. Imaginei cada cena e devorei cada palavra do texto, sério, adorei!
    Eu sou um pouco paciente com crianças, mas é claro que as vezes não tem como não perder a paciência com algumas, elas são demais.

    Enfim, adorei o post e o blog <3

    Beijão
    Cantinho da Escrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lídia!
      Awwwwwwwwn, quanto amor! Fico imensamente feliz em saber que gostou do que escrevi, sério. Como eu sou meio tímida pra compartilhar as coisas que escrevo, é sempre muito bom ter um feedback tão positivo assim <3
      Se você consegue ser paciente então meus parabéns, porque criança descontrolada só consegue despertar o pior que há em mim ]:
      Muito obrigada pelo carinho! ^-^


      Um super beijo e volte sempre! :* <3

      Excluir
  4. Eu passei 11 aninhos da minha vida trabalhando numa creche e sou professora, então tenho lá minha cota de paciência, mas as vezes a falta de noção dos adultos em cuidar das suas crianças me irrita profundamente. Criança precisa de educação e direcionamento e entender que tem certas coisas que não se fazem em espaços públicos.

    Jaci
    Pandora e Sua Caixa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jaci!
      Nesse momento estou digitando com meus pés pois estou te aplaudindo com as mãos. Sério! Simplesmente falou tudo nesse comentário!
      Eu realmente acho que os pais deveriam se dedicar mais na educação dos filhos, principalmente no que diz respeito ao que se deve ou não fazer em lugares públicos. É realmente irritante ficar sendo incomodada por crianças descontroladas, enquanto os pais estão sentados conversando e rindo tranquilamente, como se nem lembrassem que têm filhos. Haja Santa paciência! -_-


      Um super beijo e volte sempre! :* <3

      Excluir
  5. Oi
    eu me irrito um pouco com criança mal educada, mas algumas são reflexos dos pais, tenho uma história um pouco diferente na apresentação de bale da minha priminha, ano passado passei um sufoco, o espaço estava quente e não deixaram ligar o ar, na hora das apresentaçãos os pais que estavam na frente começaram a levantar para fotografar, atrapalhado a visão de quem estava sentada atrás e por conta disso nem vi minha prima dançar e passei raiva.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Denise!
      Com certeza! Eu não tenho dúvida que 99,9% das crianças são descontroladas assim por culpa dos pais que não souberam educar direito os próprios filhos. Aí acaba que é a gente que fica submetido a um teste de paciência aguentando a prole alheia -_-
      Vish, calor e pais sem consideração pelo resto da platéia? Aí fica difícil, hein? Pelo menos nessa apresentação que eu fui a visão do palco não ficou obstruída por pai nenhum (grazadeus, né? Pelo menos isso) e o calor estava suportável.
      Mas é assim mesmo. Eu sou da filosofia que a gente sai de casa pra se estressar. Então o jeito é respirar fundo e seguir o baile XD


      Um super beijo e volte sempre! :* <3

      Excluir
  6. Oi
    eu confesso que também sou impaciente e muito, minha mãe até briga falando que eu preciso de paciência, pois perco ela com quase qualuqer coisa.


    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toca aqui, miga! o/\o
      Acho que nossas mães deveriam fundar um clube: "Reabilitando jovens impacientes do século XXI" (e acho que nem assim eu conseguiria ser mais paciente, kkkkk)

      Excluir


A opinião é livre, não pode nem deve ser violentada.
(Baltasar Gracián y Morales)