31 de julho de 2012

Resenha: Pode Beijar a Noiva - Patrícia Cabot



Autora: Patrícia (Meg) Cabot
Editora: Essência
Páginas: 238


Sinopse: Quando Emma Van Court diz a James que pretende se casar com seu primo Stuart e acompanhá-lo até Faires na Escócia para dar aulas aos pescadores, ele fica indignado e tenta impedir seus planos. O casamento com Stuart não é o que James havia planejado para Emma, já que ele mesmo a desejava há muito tempo.
Mas, Emma se casa com Stuart e tem de enfrentar o prematuro falecimento de seu marido em uma epidemia de tifo. Alguns meses depois da morte de seu primo, James viaja para Faires a fim de auxiliar em algumas providências quanto ao falecimento. Ele acreditava que Emma já estaria em Londres e sequer imaginava que pudesse reencontrá-la. A simples possibilidade de revê-la o enchia de ansiedade. Porém, ao chegar à cidadezinha, James é surpreendido por constatar que Emma não havia partido de Faires. Além da surpresa em revê-la, James encontra um cenário curioso, quase todos os homens decidiram cortejar Emma. A razão? Ela recebeu a promessa de herdar uma fortuna, caso cumpra uma condição: casar-se novamente.
Apesar de amá-la há muito tempo, James sabe que não conta com a sua admiração. E, para conquistá-la terá de se dispor a mudar seu caráter de aristocrata e egocêntrico e se tornar a alma gêmea que Emma sempre desejou.

"(...) Emma mudara tudo no dia em que fugira para casar-se com Stuart. Ela lhe ensinara que todo dinheiro do mundo não podia comprar o que ele realmente queria e não era capaz de impedir o que ele mais temia que ocorresse." (p. 140)

Minha Opinião: esse é o segundo livro que eu leio da Meg com o seu codinome Patrícia. Eu simplesmente adooooro as histórias que ela escreve usando esse codinome, pelo simples fato de serem romances históricos óootimos e recheados daqueles momentos aaaaawn! Com esse livro não foi diferente u_u

Eu simplesmente me apaixonei pelo James! *-* pensem em um cara lindo, alto, e ainda por cima inglês? Eu sei que dizendo isso é algo meio esteriotipado, mas os ingleses pelo menos os retratados daquela época são realmente cavalheiros. E como hoje em dia esses homens são basicamente extintos, eu suspirei o livro inteiro pela gentileza e fofura desse Conde dos sonhos! *.* acho impossível não se apaixonar pelo 'homem apaixonado’ que ele é, e é ainda mais impossível não sentir uma mistura de raiva e ódio pela Emma não perceber isso :@

"(...) Emma, quando um homem que nunca teve nada negado em sua vida encara subitamente o fato que não pode ter o que mais deseja dirá quase tudo para tentar convencer-se de que jamais desejou aquilo. Mas acredite no que eu digo, Emma, não me lembro de uma época em que eu não desejasse que você fosse minha." (p.233)

Emma foi a personagem mais sem sal que eu já conheci!  u_u . Sabe aquele tipo de pessoa boazinha demais, caridosa demais, e bobinha demais? muito demais pro meu gosto Pois é, essa é a Emma! Dotada de uma beleza encantadora, ela nem faz ideia que o lindo gostoso tudo de bom James é apaixonado por ela desde que ela deixou o colégio. Ela sempre foi  totalmente cega pelo bobão sem sal do Stuart, um cura que só pensa no espiritual, em ajudar os outros, em tirar do próprio bolso como se ele tivesse muito e dar aos pobres (meio que um Hobbin Hood só que sem a parte heroica e legal). E em momento algum do livro a autora deu a entender que Stuart a amava, o que só serviu pra me deixar mais puta :@
Em grande parte da história eu fiquei com muita raiva da Emma, com uma vontade enorme de dar um tapa na cara ou dar um óculos pra ver se assim ela enxergava que tinha um homem incrível e totalmente devoto a ela bem na sua frente.
 O que mais me irritou, foi ela ficar se perguntando no livro inteeeiro porque o lindo absoluto do James tinha socado o Stuart logo depois dela dar a notícia a ele que os dois iriam fugir e se casar, ao invés de apoiá-los e lhes desejar felicidade... tipo assim, sério?! sério mesmo minha filha? T_T Outra coisa que me deixou louca, foi a baixa auto-estima da personagem, geeeente do céu! a garota não podia aceitar a hipótese do James amá-la quando tinha zilhões de outra mulheres muito mais bonitas e prontinhas para se jogar nos braços fortes e musculosos dele. Ta bom que isso é o tipo mais clichê de mocinha ingênua/inocente dos romances (principalmente históricos), mas eu acho que pra tudo tem limite u_u 
Acho que pelo livro não ser muito grande, não deu pra ter muito mais ódio da Emma, sabem? uahsuidhaiudhuaid. 
 Mesmo a Emma sendo uma personagem totalmente desprovida do meu amor, eu gostei muito do livro u_u asudhiauhdiuad. Achei a história fofa e até que bem trabalhada pelo número de páginas. 

No geral, esse foi o romance histórico mais fraquinho que eu já li, mas mesmo assim, eu gostei muito da leitura! é um ótimo livro pra passar o tempo, para ler no fim de semana quando não se está afim de sair de casa, ou quando você simplesmente quer uma leitura mais tranquila e rápida, pra sair do tédio e stress semanal u_u. O romance é muito fofo, bem ao estilo Cabot mesmo *-* e eu super recomendo se você curte aqueles romances mais clichês e não tão extensos. Mas, para um livro que eu tive uma relação de amor e ódio tão grande, eu acho que o melhor a fazer é tirar suas próprias conclusões, e que jeito melhor de fazer isso se não lendo o livro? boa sorte (;

8 comentários:

  1. Lindo o livro, gostei muito da sua Resenha.
    Me cativou para ler o livro...

    Ahh! e obrigada pela visita e comentário.
    Realmente aquela frase é linda e muito verdadeira.
    o Filme é ótimo se um dia quiser assistir, Recomendo, mas leva os lencinhos com você pois é para chorar muito, rs

    Beijos
    http://nikanlz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é perfeita né? bem no estilo antigo *---* aaawn, que bom que gostou! *.*
      Que isso benzitcho, adoro retribuir o carinho dos meus leitores n_n
      Com certeza eu vou assistir, só vou esperar a minha TPM chegar, porque já viu né? nada melhor que um filme depressivo em dias de querer matar todo mundo n_n asdhuiashdiuashdiusad.


      BEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* ♥

      Excluir
  2. Adorei a resenha, muito bem feita, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, que bom que gostou! :3
      Obrigada *----*


      BEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* ♥

      Excluir
  3. Oiee Rafaela, tudo bom?
    é minha primeira vez aqui no blog, adorei, vou visitar sempre que der..
    Em relação a resenha, vc escreve mto! parabéns! ainda não li nada da Meg Cabot, mas tenho Insaciável ja na estante.
    Beijos,...

    Tenho um blog, se vc se interessar passa lá tbm.

    Rian Bicalho - Eu & Livros
    euelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rian, tudo ótimo e você? ((:
      seja bem vindo então! fico muito feliz que tenha gostado e queira voltar aqui no blog! *-----*
      Awn, obrigada pelo carinho! *.* , aaah eu também tenho Insaciável, to louca pra ler só que tem leituras que eu ando priorizando -.- recomendo muito os livros da Meg, ela é uma grande escritora! :D
      Ah, com certeza eu vou dar uma olhada! n_n


      BEEEEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* ♥

      Excluir
  4. Eu ainda não li nenhum livro da Meg :( Mas já li várias críticas positivas sobre eles, e com essa sua resenha maravilhosa me deu ainda mais vontade! O que eu mais tenho vontade de ler da Meg é a série A Mediadora, e eu vi aqui no blog que é uma das suas favoritas. Faz resenha dos livros da série? Por favorrrrrrrrr?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, jura? o: aaaaawn, obrigada! <3
      sim sim, sem dúvidas é uma série xodó pra mim *.*
      com um pedido desses, como dizer não né? asdhuiahsiudhaiusdhiusad. Eu pretendo resenhar todas as séries que já li, incluindo as que citei no post de livros que eu recomendo. Mãaas, tem séries que já faz um tempinho que eu li, então estou querendo relê-las pra poder resenhar cada livro com o conteúdo deles fresquinho na memória, sabe? n__n Mas com certeza irei resenhá-los em breve aqui no blog! (((:

      BEEEEEEEEEEEEEIJINHOS E VOLTE SEMPRE! :* ♥

      Excluir


A opinião é livre, não pode nem deve ser violentada.
(Baltasar Gracián y Morales)